Skip to content

[Gestão Estratégica de Pessoas] Visão, Missão e Valores

5 de maio de 2011

Tentando deixar bem simples e prático, para que você possa fazer agora mesmo enquanto lê este post, sugiro pegar um papel, não perder tempo e pensar nas questões a seguir.

Aonde você/sua empresa quer chegar? Pense em um objetivo maior, desejado, que é visualisado como algo grande e que energiza as pequenas ações do seu dia-a-dia. Está será sua Visão.
Bruno: “Ser um facilitador do bem-estar das pessoas”

O que farei/faremos para alcançar a Visão? É da Missão que estamos falando aqui e assim trazemos a Visão para a parte prática. Escreva então o que será feito para alncançar sua Visão:
Bruno: “Desenvolver a capacidade de se construir escolhas e agir em direção a objetivos” 

Respaldado por quais princípios e por quais características suas ou da sua empresa as missão serão realizadas? Agora estamos falando de Valores!
Bruno: “Respeito, otimismo, realismo, foco no resultado e compromisso.” 

Agora temos um resumo sobre a gente/nossa empresa que, pessoalmente eu acho sempre inspirador, e que para ser organizado colocaremos na seguinte ordem: Valores, Missão e Visão.

“Através de respeito, otimismo, realismo, foco no resultado e compromisso vou desenvolver a capacidade de se construir escolhas e agir em direção a objetivos sendo assim um facilitador do bem-estar das pessoas.”

Bonito, né? Faça o seu também! Cola no espelho do banheiro, na porta do armário, da geladeira, repita todo dia quando acordar ou quando estiver em uma situação difícil.

Em um paralelo ao processo de Coaching, temos o objetivo do processo como a Visão, as metas como Missão e os Valores sempre respaldando nossas ações!

Um grande abraço, fiquem bem!

Bruno Tartalho

Nova série de posts: [Gestão Estratégica de Pessoas]

5 de maio de 2011

Olá amigos e amigas!

Começo agora uma série de posts relacionados a Gestão Estratégica de Pessoas, aproveitando o conteúdo, as discussões e as aulas deste Módulo da Pós-Graduação em Gestão de Pessoas que estou fazendo na FGV.

A idéia é fazer posts objetivos que instiguem o pensamento crítico a respeito do assunto em nossas vidas. Usarei também ferramentas do Coaching para construírmos nosso desenvolvimento. 

Um grande abraço,

Bruno Tartalho

Planejamento x Ação x Responsabilidade

29 de março de 2011

De que vale culpar os outros ou as situações por seu fracasso? É melhor usar esse tempo construindo seu sucesso!

E quantas vezes nesta última semana você fez planos, sonhou e/ou simplesmente decidiu algo sobre sua vida? Os resultados eram a curto, médio ou longo prazo?

Mas quando fez esses planos, sonhou e/ou decidiu, que critérios usou?
Emoção? Foi impulsivo? Sentou e colocou tudo na ponta do lápis? Pediu opinião para alguém?

E então desenvolveu um plano de ação, certo? Incluindo as mais diversas variáveis, obstáculos internos e externos e desenhou um plano B no caso desses obstáculos aparecerem, ok?

Percebeu que era necessário agir, e para agir, era necessário saber como agir!

Procurou então um curso, um treinamento, um coach, procurou também dicas na internet e…

Bem,  qual era mesmo o sonho?
Aonde eu queria chegar?
Mas tem jogo de futebol no fim de semana, tem churrasco com os amigos do antigo trabalho e também está passando meu programa preferido na TV!

Será que esses obstáculos estavam previstos?

É melhor refazer meu plano de ação, e as variáveis, e decidir agir como o responsável pelo meu sucesso!

Mãos a obra!

E que esta semana seja ainda melhor do que a última!

Procrastinar

28 de fevereiro de 2011

Alguma vez você conseguiu deixar de pensar um pouco nas dificuldades e apenas agiu?
Alguma vez foi possível esquecer alguma emoção forte pois precisava tomar alguma atitude?
Qual foi o sentimento ao ver que foi feito o que devia ser feito para alcançar seus objetivos?

Quando tomamos alguma atitude, temos em nossa vida a consequência dela, então se nossa atitude for deixar pra depois por conta de algum obstáculo emocional, qual será a consequência?

Nossos valores e nossas motivações costumam estar diretamente ligadas a tudo que fazemos, e este alinhamento (“o que quero que aconteça” versus “o que faço para que aconteça”) contribui diretamente ao ajuste de nosso equilíbrio emocional.

Podemos traduzir também de outra maneira, e assim sendo, o que acham deste ciclo?
Foco no resultado, que necessita do foco na atitude que tomamos, que para ser realizada necessita da motivação que está no resultado.

Procrastinar ao meu ver, costuma se relacionar exatamente a esses obstáculos internos, e com certeza tem suas vantagens e suas desvantagens, mas o importante é sempre pensar nesta escolha e agir de acordo com o que você busca no final do seu dia!

Um ótimo fim de tarde a todos!

Coaching em Brasília

14 de outubro de 2010

Produzimos um vídeo para divulgar nosso trabalho de Coaching em Brasília!

Assistam e se puderem, nos ajude a divulgar!

Escolhas

14 de outubro de 2010

Temos muito mais escolhas do que muitas vezes achamos ter, e dar oportunidade para encontrar essa infinidade de escolhas pode nos trazer soluções que surpreendam.

O que me chama a atenção é que muitas vezes não sentimos esse “poder” sob nossas escolhas, o que nos cega então? História pessoal, exemplos de família, supostas  “regras” sociais, aceitação, moral, preguiça, desmotivação, empenho… muitas vezes somos condicionados em nossas escolhas, mas proponho um desafio:

E se você se der o direito de escolher diferente hoje? Não uma escolha inconsequente, mas sim levantando os pontos positivos e negativos desta escolha, e dando a oportunidade de viver diferente.

Muitas vezes escolhemos caminhos que nos trazem a sensação de rápido retorno, e até uma certa paz momentânea, mas que não leva a nossas aspirações maiores.  Penso que se vai demorar ou não para chegar onde quero, pelo menos que eu chegue lá, e se eu tiver escolhas em meu dia-a-dia que estejam focadas em meus sonhos, esse caminho com certeza diminui muito!

O mais importante no momento, talvez seja saber que podemos escolher!

Dê esta oportunidade para você!

Motivação

6 de outubro de 2010

Muito tenho lido esses últimos dias sobre motivação. Muitas idéias surgiram também para aplicação das várias teorias.

Tudo isso surgiu desde que participei em uma reunião semana passada no Sebrae e muitos participantes defenderam que gerar insegurança nos colaboradores (funcionários) era uma ótima maneira de motivar.

Tentei entender os argumentos, e em geral eles queriam mostrar aos colaboradores que eles podem ser substituídos!

Um responsável pelo RH criou um cadastro de reserva e considerava que os colaboradores verem as filas que se formavam para entrevista deixava esse ar de insegurança. Outro pagou um técnico de outra cidade para passar o dia lá trabalhando e os funcionários verem que existe muitos outros profissionais bons.

Bem, penso que existe outras formas de se motivar e além de me perguntar, pergunto a você leitor: Quais os pontos positivos e quais os pontos negativos de causar insegurança em um funcionário?

Pense em todas as respostas possíveis, pense no dia-a-dia e reflita se é uma boa escolha.

Outra questão é o processo em si para se causar a insegurança, pois acredito que ela não precisa ser causada, todos nós já sentimos certa insegurança em qualquer área de nossa vida, tanto o empresário que corre os riscos ao ter sua empresa e precisar de resultados quanto os colaboradores que precisam se adequar e mostrar resultados para construir uma carreira de sucesso. Creio que essa insegurança que todos temos inclusive é saudável, nos faz mover em relação a se sentir seguro, mas veja bem: focando no bem-estar, e não causando qualquer dor interna para evitar suas consequências.

Dentre as várias teorias de motivação, ainda acredito na que uso diariamente em meus trabalhos de coaching: Criar desafios tanto para metas grandes de nossa vida quanto para comportamentos rotineiros que muitas vezes nem percebemos que temos.

A elaboração das metas e também dos planos de ações para alcançá-las são embasados nos Valores que as pessoas têm em suas vidas, como por exemplo humor, sucesso, aventura, alegria, brilhar, ser reconhecido,  independência, honestidade..  são as formas que as pessoas embasam seus comportamentos pois é o que ela procura para sua vida.

Temos então muitos fatores que podem ser utilizados para motivar, pois os desafios criados vão gerar bem-estar e satisfação por serem embasados nos próprios valores da pessoa.

Tanto as pessoas são substituíveis quanto as empresas também, a tolerância hoje em dia para frustrações e os vários sentimentos ruins que as pessoas possam ter em seus trabalhos está cada vez menor! Se por um lado problemas econômicos limitam muito salários, busca-se cada vez mais o bem-estar! É uma forma de equilibrar a vida.

Além de tudo, focar no resultado e no bem-estar costuma não dar margem aos aspectos negativos daquela pergunta que fiz no começo do post.

Mais uma vez, a pergunta se torna necessária:

Você antecipa os pontos positivos e negativos do processo e das metas que tem para você e para seus colaboradores?

Em breve vou escrever sobre formas de liderar e quais podem motivar!

Fiquem bem!